Sinais da Palavra

27º Domingo do Tempo Comum – Ano A

A paz, a verdadeira paz interior, aquela que nos acalma e nos deixa mais tranquilos, capazes de olhar a vida com esperança, vem de Deus, diz-nos São Paulo. E o Apóstolo aconselha-nos mesmo a abrir o coração a essa paz, que nos guardará em Cristo Jesus.

Mas, uma paz que nos leva a produzir frutos, frutos verdadeiros de vida sem fim…

Porque, como vinha do Senhor que somos, aquela vinha cuidada e protegida de que falava o profeta Isaías, de cepas escolhidas e protegidas, não podemos continuar a produzir «agraços», mas a nossa vida tem de produzir frutos e frutos que permaneçam.

Mas, na parábola do evangelho, em que Jesus nos fala da vinha arrendada pelo proprietário aos vinhateiros que não lhe entregam o fruto, que nem respeitam os seus servos, nem o seu próprio filho, vemos não só a história da salvação, de Deus que envia os seus servos e o seu próprio Filho para que os homens Lhe entreguem os frutos da vida, mas também um convite de Deus.

Olhando para uma história em que o Homem se esquece tantas vezes da verdadeira produtividade de que a sua vida se deve revestir, saibamos nós ser esse «povo que produza os seus frutos» de que falava Jesus no final da parábola; saibamos entregar a Deus frutos verdadeiros de eternidade; saibamos ser não só terreno fértil onde a Palavra produz em abundância, mas trabalhadores incansáveis nessa vinha de Deus, que lhe entregam cada vez mais uma vida cheio de bons frutos, uma vida plena.

Mostrar mais

Artigos Relacionados

Back to top button