Região

Planalto Beirão regista um crescimento de 24% na recolha de lixo para reciclar

HABITANTES ESTÃO A SUPERAR AS METAS DA RECICLAGEM

“Apurados os valores finais de 2019, relativos à produção de resíduos na região e respetivos destinos finais, verificou-se que a quantidade de resíduos recolhidos seletivamente cresceu significativamente face a 2018”. 

A informação é avançada pela Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão (AMRPB) – que recolhe o lixo de 19 concelhos (14 do distrito de Viseu) – divulgando em comunicado que recolheu no ano passado para reciclagem nos ecopontos “10.580 toneladas de resíduos, ou seja, mais 2.000 toneladas do que em 2018, o que representa um significativo crescimento anual de 24%”.

De acordo com o Planalto Beirão “este aumento das quantidades de resíduos encaminhados para reciclagem foi acompanhado por uma descida das quantidades de resíduos recolhidos de forma indiferenciada, evidenciando, desta forma, a crescente adesão da população à separação de recicláveis na fonte e à deposição seletiva”.

A nota da associação realça que “estes resultados não podem ser dissociados do forte investimento realizado no último ano pela Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão ao nível do reforço da rede de ecopontos e dos meios de recolha, transporte e triagem, por toda a sua área de intervenção através de uma operação comparticipada pelo POSEUR – Portugal 2020”. “Só em 2019, foram instalados mais de 1.300 novos ecopontos, acompanhados por uma duplicação do número de viaturas a operar ao nível da recolha de recicláveis”, concretiza a associação.

Segundo os dados a AMRPL “em média, cada habitante [dos concelhos abrangidos] separou 30 quilos de resíduos recicláveis, no ano passado. “Este valor faz com que a meta intercalar de 27 quilos por habitante ao ano, definida no PERSU 2020 + para 2019, não só tenha sido atingida como ultrapassada, superando mesmo o valor definido para 2020 de 29 quilos por habitante”.

“Estes resultados são demonstrativos de todo o esforço e investimento realizados pela AMRPB, bem como pelos municípios que a integram, e evidenciam o sucesso alcançado ao nível da mudança de hábitos e práticas da população que tem vindo, conforme pretendido, cada vez mais a optar pela separação e deposição seletiva, em detrimento da deposição indiferenciada, contribuindo, desta forma, para um futuro mais verde e sustentável”, remata o comunicado da AMRPB.

Emília Amaral  |  edição impressa 27/02/2020

Mostrar mais

Artigos Relacionados

Back to top button